Endereço de e-mail

Senha

SHOWS - PALESTRAS - AULAS DE MÚSICA - SHOPPING - CLASSIFICADOS - SERVIÇOS - OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO - PUBLICIDADE

Blog - Informações e Entretenimento

 

CULTURA - TURISMO - ARTISTAS - INSTRUMENTOS - SHOWS E EVENTOS - VIAGENS - COMPRAS - DIA A DIA - NOTICIAS - DICAS - TECNOLOGIA - E-COMERCE - IMOBILIARIO - AUTOMOTIVO - ESPORTES 

 

     ___________________________________  

 

 

16 Dicas de Segurança Pessoal para o dia a dia

 

Nesse artigo vamos destacar  dicas simples e importantes que vão ajudá-lo(a) a manter sua Segurança Pessoal.  

 

Não seja surpreendido pelo acaso. O ladrão gosta de facilidades, por isso, espera o melhor momento para agir.

 

Gilvan Gil.net destaca dicas importantes para que você não seja surpreendido pelos ladrões, principalmente para quem mora em cidades grandes.

 

1 Segurança com Objetos Pessoais

 

Uma das dicas mais importantes é evitar sair com objetos de valor como relógios, pulseiras, colares e outras joias; e não saia com grandes quantias de dinheiro ou cartões de crédito se não houver necessidade. Destacamos que estes objetos podem ser atrativos para roubos maiores, afinal de contas, os ladrões acreditam que as pessoas sempre tem algo mais a dar.

 

2 Segurança em Transportes Coletivos

 

Em transportes coletivos e lugares muito movimentados, mantenha a bolsa, carteira e pacotes ou sacolas em frente ao seu corpo.

 

3 Atenção com o Celular

 

Outra dica é evitar o uso dos aparelhos de telefone celulares em vias públicas, assim você inibe a ação dos chamados trombadinhas. Evite colocar o aparelho no bolso de trás.

 

4 Segurança com seu Carro e Objetos Dentro

 

Gilvan Gil.net  destaca ainda cuidados com o automóvel. Evite deixar o carro estacionado na rua em lugares desertos de pouca movimentação, tarde da noite, ou que indiquem períodos longos de ausência do condutor. Procure estacionar seu veículo em ruas iluminadas e próximo a locais vigiados dia e noite. Não deixe bolsas, embrulhos, roupas e pacotes à vista, dentro do carro, isto é outro chamariz para os bandidos.

 

5 Segurança ao Chegar em Casa

 

Outra dica extremamente importante é quando aproximar o carro de sua residência, antes de entrar na garagem ou acionar a abertura do portão, verificar de há a presença de pessoas suspeitas nas proximidades. Em caso positivo, dê mais uma volta no quarteirão até esta situação não ocorrer mais, ou entre em contato com os demais membros da residência ou vizinhos para alerta-los, ou chame a policia.

 

 

6 Segurança ao Dirigir 

 

Nas ruas, ao conduzir seu veículo, mantenha as portas travadas. Se possível, o ideal é manter também os vidros fechados. Destacamos que os ladrões costumam agir em momentos de distração dos motoristas ou quando há uma queda de atenção, principalmente parados nos semáforos.

Outra dica importante é para que motorista jamais pare para discutir pequenas batidas, principalmente à noite. Bandidos se utilizam deste pretexto e distração nestes momentos para cometer assaltos.

 

7 Segurança com as Crianças

 

Gilvan Gil.net destaca ainda que, ao levar crianças a praças, praias, clubes ou grandes eventos procure identificá-las com nome, endereço e telefone. Mas segurar na mão é a forma mais prática de mantê-las próximas de você.

 

8 Segurança ao se Ausentar de sua Residência

 

Especialista em segurança reforça para que, ao sair de casa em viagens por grandes períodos, contrate uma pessoa de confiança para tomar conta de sua residência, suspenda a entrega de jornais e avise a um vizinho de confiança sobre sua ausência. Se possível, peça para que um parente visite a casa periodicamente e recolha a correspondência.  

 

9 Segurança ao Receber Visitantes Inesperados

 

Não abra a porta para pessoas que se apresentam para oferecer serviços não solicitados, como encanadores, técnicos de tv a cabo ou telefonia e etc. Caso possua interfone, o utilize para identificar as pessoas. Em caso de dúvidas, chame a polícia.

 

10 Atenções a sua volta

 

Fique atento aos acontecimentos à sua volta, caso note algo estranho, mude seu trajeto, atravesse a rua ou entre em algum estabelecimento próximo;

 

11 Evite desertos

 

Evite passar por lugares desertos e pouco iluminados.

 

12 Atenções com bolsas e malas

 

Em locais de embarques como pontos de Ônibus, Estações de Trem e Metrô Rodoviárias, Aeroportos Não deixe sua bolsa ou mala distante, mantenha presa a outras bolsas, próximas ao seu corpo e não descuide com o olhar sobre elas, é relativamente comum ladrões levarem ou trocarem as bolsas com a sua distração, (levando a sua e deixando uma vazia)

 

 

13 Festas e eventos

 

Em locais de grandes concentrações mantem seus pertences na parte da frente do corpo em bolsos ou presos ao coes da calça, xorte, saia etc.

 

14 Cuidados em Ruas de grandes comercios e movimentação

 

Ao realizar compras em grandes centros comerciais fique atento a sua bolsa, carteira e sacolas de compras. Bandidos costumam se aproximar se passando como clientes, e num descuido. Retiram pertences das bolsas e sacolas.

 

15 Cuidados com a mochila

 

Em grandes concentrações evite manter a mochila nas costas, faça uma troca colocando a mesma na frente do corpo.

 

16 Não reajam a assaltos

 

E lembre-se, se for abordado por criminosos não reaja. Sua vida vale mais do que qualquer objeto que esteja carregando.

 

 

PUBLICIDADE - CLIQUE NA IMAGEM E SAIBA MAIS  

 

 

 

 

----------------------------------------------------------------------  

 

 
 

07 Dicas para fazer o perfume durar mais na pele.

 

 

Vamos combinar: nada pior que sair de casa cheirosinha(o) e no meio do caminho já estar com cheiro “da rua”, né! Por isso é muito importante a escolha da empresa que fabrica o perfume, Sem falar que o perfume, quando escolhido cuidadosamente, diz tanto sobre a gente quanto nossa roupa. E ainda cria lembranças que ficam por muito mais tempo! Sendo assim, reunimos seis dicas valiosas para fazer seu perfume durar bem mais na sua pele e na lembrança de quem convive com você.

»Dicas para fazer o perfume durar mais no corpo:

 

HIDRATE A PELE! Na pele seca o perfume tem dificuldade de fixar, já na pele oleosa vai durar mais tempo. Procure uma versão do seu perfume em loção, ou use um hidratante sem cheiro antes de passar sua fragrância preferida. Também é mais indicado passar logo depois do banho, com a pele ainda úmida.

 

APLIQUE EM LUGARES ESPECÍFICOS! Não adianta sair borrifando pelo corpo inteiro, tem que focar nos pontos onde a pulsação pode ser sentida – é onde fica mais quente, por causa do sangue, e esse calor ativa o perfume. São cinco: atrás da orelha, na base do pescoço, no lado de dentro dos punhos e cotovelos e atrás dos joelhos.

 

NÃO ESFREGUE! Ao esfregar uma área    perfumada, as suas moléculas são destruídas e o cheiro literalmente desaparece no ar!

 

GUARDE CORRETAMENTE! Calor, luz e umidade podem destruir os componentes do perfume e diminuir o poder de sua fragrância. Por isso, o mantenha em um local fresco e seco. Então o banheiro não é o melhor lugar para mantê-los, por causa da umidade

 

  ATENÇÃO COM O TIPO DE PELE! Pessoas de pele  clara devem usar um perfume mais forte para que dure mais tempo, pois os poros deste tipo de pele são mais abertos do que os dos tipos de peles mais escuras ou negras. Fazendo com que as essencias se despecem com maior rapidez. Por tanto fica a dica, pele clara perfume forte para durar mais tempo.     

 

ATENÇÃO PARA AS NOTAS OLFATIVAS! Os perfumes florais vão embora mais rápido devido à evaporação das notas olfativas, enquanto os amadeirados e os adocicados têm maior duração.

 

VEJA A CONCENTRAÇÃO DA ESSÊNCIA! Muitos perfumes vêm em várias versões, mas com o mesmo aroma. O que as diferencia é a concentração de essência em cada frasco. O eau de parfum tem entre 20% a 40% de essência e dura mais de 8 horas na pele, o eau de toilette tem de 8% a 17% e dura entre 6 e 8 horas, o eau de cologne (ou água de colônia) tem de 5% a 8% e dura até 5 horas, já o body splash (ou água de banho) tem entre 2% e 4%, durando umas 4 horas. 

 

PUBLICIDADE - CLIQUE NA IMAGEM E SAIBA MAIS  

 

 

 

 

 

----------------------------------------------------------------------  

 

Cuidados para comprar imóvel financiado

 

Ao comprar a casa própria todo cuidado pode ser pouco, pois se não forem tomadas todas as precauções, a compra da casa própria pode ser uma dor de cabeça para muitos anos. São diversos os problemas relacionados a financiamentos negados, imóveis danificados, cobrança de taxas de condomínio em atraso, imóveis ocupados e até atraso na entrega de imóveis em

construção.
Para reduzir os riscos, veja abaixo algumas dicas que podem ser muito úteis aos candidatos à compra de imóveis. Por exemplo, é importante saber que, quanto maior o prazo de contrato, mais juros você pagará. Se a taxa for de 10% ao ano, a cada dez anos de financiamento você paga o equivalente ao imóvel que comprou. Em 30 anos, pagará 4,5 vezes.  

 

  Comprando a casa ou apartamento ideal


Principais dicas:

1- Pesquise o preço do imóvel - Procure avaliar outros imóveis à venda no mesmo prédio ou conjunto, para saber o valor de mercado. Também vale pesquisar junto a imobiliárias e corretores quanto ao preço médio do metro quadrado na região. Para fazer um bom negócio, é preciso saber o valor médio de outros imóveis com as mesmas características do que você pretende comprar e já determinar o valor máximo que você pretende pagar pelo imóvel. Os preços vêm subindo muito e vendedores tentam se aproveitar dessa situação.

 

2- Pesquise as taxas de juros – não é só a Caixa que faz financiamentos para habitação. Todos os bancos do país fazem. E a taxa de juros varia conforme sua renda, o valor do imóvel e o valor do financiamento. Pesquise e faça simulações em todos os bancos para encontrar a melhor taxa. Fique atento ao CET que é o custo efetivo total do financiamento, um percentual que mostra quanto o financiamento vai custar incluindo todas as taxas administrativas e tributos cobrados pelo banco. Nem sempre a menor taxa de juros é o melhor negócio. Para ajudar na pesquisa, a internet é uma grande ferramenta, pois todos os bancos tem simuladores on-line.

3- Imóvel ocupado – a maior fonte de problemas é quando o imóvel está ocupado. Se estiver ocupado, o primeiro conselho é que você não efetue a compra. Se mesmo assim você ainda estiver determinado a arriscar fazer um bom negócio, seu primeiro passo é fazer uma visita ao imóvel e tentar conversar com o ocupante sobre a situação dele e se o mesmo vai ou não desocupar o imóvel amigavelmente. Se houver uma pré-disposição para a briga por parte do ocupante, desista da compra, pois o processo de retirada judicial é bem demorado e pode até não acontecer. Lembre-se que existem custas judiciais e honorários de advogados caso necessite entrar na Justiça.

4- Conheça o imóvel por dentro e faça uma vistoria detalhada antes de fechar negócio – é muito comum, principalmente em imóveis ocupados, que ao tomar posse do imóvel, o comprador se depare com luminárias, armários, torneiras e até partes de gesso arrancadas e que constavam quando da primeira visita. Então o caminho para poder reclamar prejuízos é fazer uma vistoria detalhada do imóvel que lhe foi prometido e colher a assinatura da empresa que está vendendo. Isto vale como prova para reclamações na Justiça e é obrigação do comprador repor os itens faltantes ou indenizar o comprador em dinheiro.

5- Guarde todos os panfletos, anúncios e escritos feitos pelos vendedores – na justiça tudo vale como prova e o que é prometido vincula o fornecedor a cumpri-lo. Então tudo que for objeto da negociação faça constar na proposta de compra, inclusive prazos, taxas de juros, metragem do imóvel e despesas.

6- Proposta de compra com dependência de financiamento – não é possível a nenhum vendedor prometer a aprovação de financiamento, porque tal aprovação dependerá do preço do imóvel, sua renda, valor da entrada, valor financiado e regularidade do seu cadastro. Se você depende de financiamento para comprar o imóvel, não assine nenhum documento antes de verificar se seu crédito está aprovado. Caso o vendedor lhe empurre um “pedido de reserva de imóvel” ou peça para você deixar um “cheque caução”, com a promessa de que se o financiamento não for aprovado o negócio está desfeito sem qualquer custo, não vacile, exija tal compromisso por escrito, que pode ser até por uma simples frase colocada nesta proposta: “Em caso de não aprovação do meu financiamento, serei ressarcido imediatamente do que desembolsei de sinal ou do meu cheque caução, não ficarei obrigado a pagar nenhuma taxa e devolução será no ato de minha solicitação”. Se não tomar estes cuidados, é certeza de que terá que recorrer à justiça caso tenha o financiamento negado, pois a maioria das empresas cobra multa.

7- Dívidas e condomínio – Se o imóvel que você vai comprar está pronto, novo ou usado, procure se certificar de que não há outras dívidas pendentes, como condomínio e IPTU. São dívidas de responsabilidade do antigo proprietário, que deverão ser quitadas pelo banco ou pelo vendedor do imóvel, mas que se não estiverem pagas vão ter o imóvel como garantia e a execução vai correr contra o atual proprietário, que então terá que recorrer a Justiça para receber este dinheiro do vendedor. É de suma importância que esta obrigação conste na proposta de compra ou no contrato, inclusive prevendo a possibilidade de reter os pagamentos ao vendedor enquanto houver pendências.

8- Prazo do financiamento – quanto maior o prazo do contrato, mais juros você pagará pelo imóvel. Se a taxa for de 10% ao ano, por exemplo, a cada 10 anos de financiamento, você paga o valor de mercado de um imóvel só de juros, além de correção monetária e o valor do próprio financiamento. Portanto, ao financiar um imóvel em 30 anos, você pagará 4,5 vezes o valor de mercado do imóvel, entre juros, capital e correção monetária. Ao financiar em 20 anos, você pagará 3,5 vezes o valor de mercado do imóvel. Sabendo disto, procure comprar o menor imóvel dentro de suas necessidades atuais, dê o máximo de entrada possível, e financie pelo menor prazo dentro de sua capacidade de pagamento. Lembre-se que, se atrasar três parcelas, seu imóvel será levado a leilão, você perderá tudo que pagou e pode ainda ser surpreendido com uma dívida resultante do valor de venda do imóvel ser inferior ao valor do saldo devedor do financiamento.

 

9- Composição de renda – é comum pais e filhos ou irmãos ou cunhados e até amigos se unirem para compor a renda necessária para conseguir o financiamento. Só que as pessoas tem que lembrar que ficarão obrigadas pelo pagamento da dívida até o final, além do fato que sua renda estará comprometida para fins de financiar outro imóvel no futuro. Imagine dois irmãos solteiros que financiem um imóvel compondo renda. Se um casar e quiser comprar outro imóvel financiado, sua renda terá que ser suficiente para pagar as obrigações dos dois imóveis, ou o banco não liberará seu crédito. Portanto, antes de compor a renda com outras pessoas, pense bem no tamanho do vínculo e da confiança que vocês terão por muitos e muitos anos.

10- Comprometimento de renda – não comprometa mais de 15% de sua renda com o pagamento da primeira parcela do financiamento, e não caia na tentação de comprometer 30% conforme muitos bancos orientam. Este cuidado é fundamental para você conseguir honrar todas as parcelas do financiamento sem dificuldades. Lembre-se que o prazo é muito longo, dificuldades e crises acontecem sempre e com todos, e comprometer menos seu salário é caminho certo para não haver surpresas desagradáveis no futuro.

11- Despesas da compra – escolhido o imóvel e aprovado o financiamento, lembre-se que há despesas de escritura e ITBI para registrar a transação em cartório. Estes custos podem chegar a 3% do valor de mercado atual do imóvel, portanto, ou você tem que ter esta reserva em dinheiro, ou precisa já incluir estes custos no financiamento. É uma despesa à vista e sem o seu pagamento o negócio não se realiza.

12- Despachante imobiliário – está virando moda a utilização de despachante imobiliário, com taxas muitas vezes até fixa nos contratos de venda. Saiba que esta despesa não é obrigatória, a intervenção deste profissional não é necessária, e você mesmo pode fazer todos os procedimentos burocráticos, o que pode lhe tomar tempo, mas economizará cerca de R$ 500,00 a R$ 1.000,00 com esta despesa.

Na dúvida sobre qualquer situação, procure o Procon e oriente-se.

 

----------------------------------------------------------------------  
Cuidados na hora de comprar um carro
Nossa plataforma pensando em facilitar à sua vida, elaborou algumas dicas de como comprar carro usado.

DICAS DE CONSERVAÇÃO  MECANICA DOCUMENTAÇÃO

Seja cauteloso na hora de comprar um carro usado

Nunca compre o primeiro que você ver.

Pode até comprar, mas depois de olhar outras opções. Veja na Internet e procure referência sobre a loja ou pessoa de quem você está comprando.  

 

 

Procedência

Mesmo que o veículo seja adquirido em uma loja de seminovos, é importante se certificar de que as informações do documento condizem com a realidade. Deve-se conferir os dados do antigo proprietário e a placa do veículo, consultando pela identificação do carro nos sites do Detran, Denatran e também da Prefeitura. A cor do veículo, o tipo de motorização, tamanho do propulsor e número do bloco do motor também devem ser aferidos e qualquer divergência deve ser checada. Pergunte ao vendedor, caso encontre algum dado divergente, mas também faça suas próprias consultas, para evitar golpes. Carros não quitados junto a bancos e financiadoras têm no documento a inscrição "com alienação fiduciária".

Documentação

Além da checagem dos dados, também é importante consultar se há débitos não quitados para o veículo, como licenciamento, IPVA, DPVAT (seguro obrigatório) e, principalmente, multas. As consultas podem ser feitas nos mesmos sites: Detran, Ciretran e Prefeitura, e também no site da Secretária da Fazenda, que registra as inadimplências dos contribuintes, inclusive referentes à propriedade de veículos.

O próprio site do Detran-SP informa, no rodapé da pesquisa feita pela placa do veículo e pelo número de Renavam, que o resultado pode não ser 100% confiável, pois tem caráter apenas informativo. Sendo assim, não pode ser utilizada como certidão de prontuário. Isso porque alguns débitos, principalmente referentes a multas, podem aparecer posteriormente, por atrasos nos registros no prontuário do veículo. Há, entretanto, a possibilidade de pedir ao lojista ou vendedor do carro um laudo de vistoria, que ateste a inexistência de débitos ou qualquer outra pendência para o carro. "Temos empresas que fazem essa vistoria e os lojistas, quase em sua maioria, usam esses laudos, como uma garantia", comenta Jefferson Camacho, da A Fonte Veículos, na zona leste de São Paulo.

Como comprador, também é possível solicitar os serviços de uma empresa que realiza laudos. Há várias delas no mercado, que enviam um funcionário para fazer a avaliação na loja ou local onde o carro vendido estiver. O serviço pode custar de R$ 80 a R$ 150. Esse laudo, atualmente, é exigido por lei para a transferência de propriedade do veículo em casos em que o carro ainda não está na base de dados do departamento de trânsito. Veículos com fabricação de 2010 até o momento podem ser transferidos sem essa exigência.

Preço justo

A tabela do Jornal do Carro é publicada às quartas-feiras e serve de referência para a negociação de carros com até 14 anos de uso. Veículos com preço muito baixo podem ser uma cilada. Para se livrar de carros com problemas mecânicos sérios ou mesmo com pendências legais, como clonagem de placa, alguns negociantes os oferecem por preços muito abaixo da tabela, em uma tentativa de atrair compradores mais ávidos e afoitos para negociar.

Quilometragem

Uma das desvantagens em se comprar um seminovo é a falta de garantia. Problemas e defeitos que venham a surgir podem ter o conserto bastante custoso para o novo proprietário. Verificar se a quilometragem rodada está muito alta ajuda a ter uma ideia sobre o desgaste a que foi submetido o conjunto. É importante também acompanhar no manual do veículo se todas as revisões obrigatórias foram realizadas.

Adulterações

Há na praça um golpe que implica na adulteração da quilometragem "voltando" o número de quilômetros rodados para evitar depreciação por uso excessivo. No entanto, é possível observar se componentes como as sapatas dos pedais de comando, manopla de câmbio e até o volante apresentam desgaste. "É recomendável que se fique atento ao desgaste dos pneus também. Hoje em dia, é mais difícil essa adulteração do número, mas é importante se certificar de que não há nada errado. Números desalinhados, no caso de hodômetros analógicos, indicam possível alteração nesse dado.

Mecânica e conservação

Alguns veículos podem apresentar problemas sérios de motor e câmbio, que são componentes caros. Para evitar problemas futuros, avalie o carro e peça para dirigir o veículo. Consulte um mecânico de confiança a respeito do modelo e, se possível, submeta o carro a uma avaliação. Se for o caso, mesmo que seja depois de efetuada a compra, submeta o carro a inspeção. Mesmo que o negócio esteja fechado, com um laudo de comprovação do problema é possível desfazer a negociação, mas dá trabalho.

Seguro

Alguns modelos têm preço de seguro mais elevado, por conta do ranking feito pelas companhias seguradoras, que considera o número de casos, localidades das ocorrências, perfil do cliente e outros dados. Esses fatores influenciam no valor do seguro e, em alguns casos, pode se tornar inviável, quando o valor pago pela apólice supera a faixa de 30% do preço do seminovo. É importante verificar e cotar em mais de uma companhia o seguro para o modelo pretendido para evitar transtornos. Mesmo sendo um seminovo, o seguro é recomendável para resguardar o proprietário não só de furtos e roubos, mas também em casos de acidentes, falhas mecânicas ou colisões por terceiros não-segurados.

Investimento

Segundo o lojista Jefferson Camacho, atualmente, o automóvel não pode ser considerado investimento. Já foi o tempo em que era possível comprar um veículo para ganhar com a revenda - se você não é um lojista ou não pegou o veículo por um preço muito abaixo da tabela. "Muitos esquecem de colocar na conta final o dinheiro gasto com manutenção, documentação, seguro do bem e a depreciação que ele pode sofrer até a revenda. Comprar o carro para investir pode virar prejuízo", alerta.      

Depreciação  

Uma vantagem do seminovo em relação ao zero quilômetro é a depreciação menor. Mas ela acontece principalmente considerando o aumento do desgaste de componentes e peças com o uso que você fará. O índice de depreciação varia de acordo com o modelo e a tabela do Jornal do Carro também pode ser uma referência para esse cálculo. De qualquer maneira, o maior impacto, de cerca de 30%, é sofrido pelo proprietário que comprou o carro zero. Ele teve benefícios como garantia de fábrica e revisões gratuitas - e essa depreciação já era sabida.

Transferência

A transferência de propriedade do veículo deve ser feita até 30 dias após a efetivação da compra, sob pena de multa. Entretanto, quanto antes o bem estiver em seu nome, mais seguro o comprador estará. O certificado de compra e venda deve ter assinatura com firma reconhecida autenticada em cartório para que o Detran emita o novo documento, com seu nome. A assinatura do vendedor deve ser colhida pessoalmente no cartório. Geralmente é o vendedor que arca com esse custo. De posse do documento com a assinatura e autenticado no cartório, o comprador pode procurar um despachante que cobrará pelo serviço ou utilizar serviços como Poupatempo. Se o carro for mudar de município, é necessário também uma vistoria no próprio Detran, para troca da placa.

 

Se você encontrou o carro que procura e ele é muito difícil de achar, faça uma reserva e não perca a oportunidade. Algunsveículos tiveram poucas unidades fabricadas, são séries limitadas ou modelos de baixa procura. Portanto não perca a oportunidade.

 

----------------------------------------------------------------------  


Comércio eletrônico alcança 51,3 mi de consumidores no Brasil

                                         

Os consumidores brasileiros estão cada vez mais ampliando suas opções de compra para a internet. Segundo dados da E-bit, 51,3 milhões de pessoas já utilizaram a web ao menos uma vez para adquirir um produto. 

 

 

Os números fazem parte do balanço de e-commerce Webshoppers, divulgado nessa quarta-feira (12). De acordo com os dados, somente em 2013, 9,1 milhões de pessoas compraram online pela primeira vez. 

Os dados representam um crescimento de 28% no comércio eletrônico em comparação ao ano passado, alcançando um faturamento de 28,8 bilhões de reais. Além disso, houve também um aumento de 32% nos pedidos de compras online, chegando a 88,3 milhões.                                                                                                                               

Segundo a E-bit, a popularização da banda larga móvel ajudou nesse crescimento do consumo online ao longo dos anos. Em 2013, a Black Friday foi responsável por gerar mais de 770 milhões em receitas num único dia — mas em contrapartida, o gasto médio por cada consumidor caiu 4,4% e ficou em 327 reais. 

Entre os setores mais vendidos está a categoria de “Moda & Acessórios”, seguida por “Cosméticos e Perfumaria / Saúde”, “Eletrodomésticos”, “Livros”, “Telefonia”, “Casa e Decoração”, “Eletrônicos”, “Esportes” e “Brinquedos e Games”.

Para 2014, a expectativa alcançou a meta de crescimento de 20% com relação a 2013, com um faturamento estimado de 34,6 bilhões de reais. 

Mobile Commerce - As compras por meio de dispositivos móveis ganharam força no último ano. Em janeiro de 2013, esta modalidade correspondia a 2,5% de todas as vendas online. Ao final do mesmo ano, já representava 4,8%. Segundo a E-bit, a tendência é de crescimento deste formato, que deve alcançar uma participação de 10% a 20% do mercado em nos próximos anos.   

Trocas e devoluções - Um ponto negativo para as empresas de e-commerce é a dificuldade em lidar com trocas e devoluções de produtos. 47% dos consumidores passaram a comprar menos pela internet por este motivo. Dos entrevistados, 18% não conseguiram devolver um produto. Para troca, 17% disseram não terem conseguido. 

Expectativas - Para 2018 o cenário do e-commerce é de constante crescimento. Novamente, mais de 12 milhões de pessoas devem realizar uma compra online pela primeira vez, elevando o número de consumidores virtuais únicos em 70 milhões. A quantidade de pedidos também deve crescer 26% em relação a 2016 e alcançar 131,54 milhões.